Voicers

Por que a resiliência – e não a tecnologia – é a resposta para nossos maiores desafios

Nas últimas décadas, o mundo se apaixonou pelo poder transformador da tecnologia e pela crença de que ela pode ser a panaceia para todos os desafios humanos.

A pandemia da COVID-19 alterou essa narrativa, entretanto. Apesar de todo o hype, a tecnologia digital não conseguiu evitar, nem controlar a disseminação do coronavírus. Em vez disso, intervenções políticas sólidas, cuidados de saúde acessíveis, profissionais dedicados e bom senso são o que tem curvas achatadas. A tecnologia que controlou a infecção não era um aplicativo sofisticado de rastreamento de contatos, mas uma simples máscara facial.

Há alguns anos o cenário tecnológico fervilha com a Quarta Revolução Industrial, uma suposta transformação tecnológica caracterizada por big data, inteligência artificial e automação.

Mas, a última coisa que o mundo precisa é de outra "revolução" que ignore o custo externo para a sociedade de nossa obsessão desenfreada com o crescimento econômico a todo custo. A tecnologia não vai resolver a crise climática, evitar os incêndios florestais recorrentes, curar as divisões sociais ou resolver a desigualdade social. Somente um esforço concentrado para redefinir nossos sistemas econômicos e uma disposição para fazer escolhas difíceis sobre as prioridades farão isso.

O mundo precisa de um 'RS' diferente - algo que chamo de 'resiliência segurada'. A palavra 'segurada' significa assegurar ou proteger alguém contra uma possível contingência; neste caso, as tendências econômicas, sociais e climáticas que enfrentamos no século 21, particularmente aquelas decorrentes da exploração insustentável de recursos, a crise do capitalismo voltado para o consumo, as perdas de biodiversidade e as mudanças climáticas.

'Resiliência', em contraste, denota a capacidade da sociedade de suportar e se recuperar desses choques quando eles ocorrem. Juntas, a resiliência segurada enquadra uma sociedade projetada para prevenir e proteger contra crises e para se recuperar rapidamente de danos.

As revoluções industriais anteriores podem ter levado a uma maior produtividade e a um padrão de vida mais elevado, mas também contribuíram para nossa situação atual. Eles permitiram que os recursos fossem explorados em um ritmo mais rápido e possibilitaram o consumo em massa que contribui para a poluição, o desperdício, a perda de biodiversidade e terras cultiváveis, a aglomeração urbana e as outras injustiças sociais que vemos no mundo hoje.

Se a Quarta Revolução Industrial fosse similarmente transformadora - em si mesma uma afirmação não comprovada - isso seria algo de que o mundo realmente precisa agora? A pandemia mostra que precisamos redefinir nossas prioridades para melhor servir a maioria global com acesso limitado às necessidades básicas, e fazendo isso respeitando os limites.

Quais devem ser nossas prioridades?

Proteção e segurança são a base da resiliência segurada 1.0: uma abordagem para o progresso humano que protege a sociedade contra choques a fim de construir comunidades seguras e protegidas. Não se trata de um estoque de bens ou de uma reserva de fundos, mas sim de uma reestruturação econômica para que as necessidades básicas de todos sejam atendidas, os sistemas naturais sejam preservados e as redes de segurança social sejam estabelecidas.

Resiliência segurada significa que um país deve ser capaz de se sustentar em momentos de necessidade, como quando as cadeias de abastecimento globais são interrompidas. A pandemia mostrou que aqueles na base da pirâmide são freqüentemente afetados de forma desproporcional por choques. Os governos precisam intervir com políticas econômicas para garantir que os bens públicos comuns, como saúde, habitação, educação, alimentos, água e energia, sejam fornecidos de forma equitativa. Alguns direitos não podem ser deixados para as forças do mercado.

Depois, há os impactos externos causados ​​diretamente pelo desenvolvimento tecnológico. Em lugares com taxas persistentemente altas de desemprego e subemprego, a automação e a inteligência artificial não podem ser infinitamente "perturbadoras". Os governos precisam oferecer às pessoas alternativas adequadas e oportunidades de requalificação e qualificação. E se os governos estão dispostos a conceder incentivos fiscais aos ricos para estimular investimentos e gastos, então por que não podem taxar robôs para administrar empregos?

Não devemos ver o avanço tecnológico e o progresso humano como a mesma coisa; afinal, bilhões de pessoas em muitas partes do mundo ainda carecem de eletricidade estável, água potável e casas com banheiros. Por exemplo, a pandemia nos mostrou que bons sistemas de saneamento e tratamento de resíduos devem ser implementados em áreas urbanas e rurais como prioridade.

Avanço tecnológico e progresso humano não são a mesma coisa | Imagem: Nosso mundo em dados

Nos últimos anos, as consequências de nosso ataque à biosfera tornaram-se claras: desde a propagação de doenças zoonóticas e surtos de gafanhotos até danos permanentes aos rios e solo fértil. O uso excessivo de produtos químicos, desmatamento, mudança climática e outros fatores humanos levou à perda de um terço de todas as terras aráveis ​​nos últimos 40 anos.

A segurança alimentar é de extrema importância em um mundo cada vez mais populoso. Uma economia rural vibrante deve ser mantida para evitar que as pessoas deixem o campo em busca de melhores empregos na cidade. A China conhece essa lição melhor do que qualquer outra nação do mundo, como mostra sua recente campanha para combater o desperdício de alimentos, que terá um efeito significativo sobre como ela cultiva, processa e consome alimentos.

Mas a resiliência segurada precisa de mais do que apenas esforços do governo. Todas as partes interessadas precisam se preocupar com o bem-estar coletivo. Sociedades onde as pessoas assumem a responsabilidade de proteger umas às outras de danos se saem melhor do que aquelas com uma cultura mais individualista: compare os resultados em Hong Kong, Vietnã e Coreia do Sul com o do Reino Unido e dos Estados Unidos.

A tecnologia não cria uma sociedade estável com regras, normas e valores. Em vez disso, tal sociedade é o produto de contratos sociais construídos entre os diferentes pilares da sociedade, como governo, setor privado, sociedade civil e cidadãos comuns. Nessas sociedades, há uma compreensão aguda de quando e como colocar o bem-estar coletivo à frente dos direitos individuais.

Para apoiar o bem-estar coletivo, a sociedade deve proteger os bens comuns - o ar, os pesqueiros, as florestas, os rios e todos os outros recursos naturais - para as gerações futuras e garantir o mundo contra choques naturais como mudanças climáticas e pandemias.

A resiliência assegurada não é uma rejeição de novas tecnologias. Muitas das tecnologias da Quarta Revolução Industrial poderiam ser usadas para revitalizar ecologias, proteger os bens comuns e sustentar a subsistência. Por exemplo, drones podem ser usados ​​para ajudar os agricultores a reduzir drasticamente o uso de produtos químicos como fertilizantes; as tecnologias de educação podem ser usadas para facilitar a qualificação; e os sensores usados ​​na Internet das Coisas podem ajudar a monitorar as emissões de carbono e garantir que os consumidores paguem por suas externalidades, como ar-condicionado e uso excessivo de água.

A pandemia deve nos ensinar que, quando se trata de prevenir uma crise global, não podemos esperar que uma tecnologia revolucionária venha salvar o dia. Em vez disso, os países precisam de uma abordagem de desenvolvimento que integre a resiliência em seu planejamento econômico e proteja as comunidades de choques externos, ajudando-as a se recuperarem de desastres melhor do que antes: resiliência garantida.

Fonte: World Economic Forum


  • Home
  • Por que a resiliência – e não a tecnologia – é a resposta para nossos maiores desafios

Explore "Mapas, cenários e educação de futuro(s)"

Junte-se a nós em uma jornada de descoberta coletiva e inspire-se para contribuir com o futuro.

Crie Eventos e Festivais Inesquecíveis com a Voicers!

Trazemos o melhor da Tecnologia com o melhor do Humano para a curadoria de eventos, proporcionando uma experiência de Futuro(s) Saudáveis para as mais diversas indústrias. Se você deseja transformar seu evento em uma experiência única e memorável, estamos aqui para ajudar.

Solicite uma proposta
Preencha o formulário:

Acreditamos no poder da voz para inspirar, educar e transformar. Para palestras, treinamentos e jornadas, podemos trabalhar com todos os temas que estão nas linhas de pesquisas deste portal. Se você está em busca de palestras envolventes ou treinamentos inovadores que façam a diferença, você está no lugar certo.

Solicite uma proposta
Preencha o formulário: